Textos


COR DE BURRO FUGIDO
          Dividiam as despesas e espaços do apartamento onde moravam, quando ainda universitários. Acrescido a isso, temores, sentimentos e sonhos, próprios de jovens audaciosos. Um deles, quando adolescente, sonhava em fazer parte dos “paquitos” da Xuxa; por vezes enviou à produção do programa televisivo fotos suas em posses e looks diversos, sem nunca sequer receber retorno. O outro se imaginava cantando em pubs intimistas – embora taquara rachada – e conhecer a cantora Ângela Rorô. Os anos se passaram, Xuxa já não era mais dos baixinhos e, Ângela Rorô sumiu do pedaço, depois de tantas doses exageradas de uísque.
            A casa dos quarenta lhes trouxe algumas particularidades a ambos. Depois de verem seus sonhos juvenis iniciais rolarem ladeira abaixo, a idade lhes acenava com fios de cabelos brancos, nada bem-vindos. Era um problema.       
            Enquanto o ex-aspirante a paquito resolvia parcialmente seu problema mandando cortar seu cabelo na máquina zero; o mequetrefe do taquara rachada, por sua vez, não conseguia esconder os impertinentes cabelos brancos que teimavam assomar-se.
            ̶ Coisa de família. Soube que meu tio, ainda jovem, já tinha cabelos brancos. Vi uma fotografia da época em que ele era motorista de um calhambeque, de uniforme e gorro na mão. – tentava justificar-se Murilo.
            Certa vez, o amigo Fabrício o aconselhou a pintar o cabelo.
            ̶  Não! Não! – foi enfático ao responder-lhe. – As pessoas logo perceberão que pintei. – acrescentou incomodado.
            Sem dar-se por vencido e, querendo ajudar o amigo, Fabrício tentou persuadi-lo:
            ̶ Não tô te falando para pintar o cabelo de preto. Existe uma substância que tonaliza de cinza o cabelo que teima nascer branco. Você, nem ninguém, vão perceber. Tenta. – fez-se um silêncio e ambos se olharam.
            Sábado, dia para atividades de lazer. Lá estava a postos Fabrício com a caixa de pintura lendo as instruções no verso. Enquanto isso mandou o Murilo molhar o cabelo.
            ̶ Não se preocupe, vou seguir todas as instruções. – Fabrício tentou acalmar o amigo.
            Murilo, sentado, sentia o pincel molhado subindo e descendo a nuca, atravessando a cabeça de orelha a orelha; vez outra se limpava a fronte.
            ̶ Pronto! Agora é só esperar um tempinho. – disse Fabrício, aprendiz de cabeleireiro, envolvendo a cabeça do amigo com uma toalha velha.
            Ring! Ring! Ring! O telefone toca e Fabrício atende. Após cumprimentos passa para Murilo. Era sua mãe que, amiúde, aos sábados lhe telefonava. Conversa vai, conversa vem: quem casou no papel, quem casou atrás da porta, quem enviuvou, quem foi pra cidade dos pés juntos, quem sumiu, quem ainda estava com a avó atrás do toco, quem andava com os nervos em pandarecos, quem acendeu uma vela a Deus e outra ao diabo, quem fugiu com quem ao cantar do galo, quem aparece ao toque das ave-marias, etc.
            A fala ao telefone se alongou. Murilo só percebeu quando Fabrício, exaltado e de olhos esbugalhados, lhe mostrava a caixa da tintura que usou.
            Despediu-se da mãe e voltando-se para Fabrício:
            ̶  Pra que tanto escândalo?! O que foi?
            Ainda com a caixa de tintura na mão, Fabrício assinalava um item das instruções: “deixar, no máximo, quinze minutos no cabelo”.
            De quinze para quarenta minutos existe uma substancial diferença, em certas situações. Nesta, principalmente, onde, o tom sairia do branco, passando pelo cinza – que era o esperado – para chegar ao preto – o inesperado.
            Correu ao espelho. Ao refletir-se, assustou-se; não se reconhecia. O tom preto na pele branca o tornara mais velho.
            ̶  Ficou horrível! Como faço para tirar tudo isto?!
            Ambos aflitos – em outra situação estariam rindo de si mesmos – não sabiam o que fazer. Murilo enfiou a cabeça sob o jorro de água na pia de lavar roupa, esfregando sem parar. Após um tempo, enxugou o cabelo e se dirigiu ao espelho a conferir. Para seu espanto a tonalidade preta estava mais forte. Que desespero. Correu ao banheiro e usou de todos os shampoos que encontrou. Já com o couro cabeludo dolorido, enxugou-se e, novamente foi ao espelho. Piorou, a tonalidade ficou mais luminosa.
            Jogou-se na poltrona da sala com os cabelos ainda úmidos e mil pensamentos na cabeça, além da dor no couro cabeludo. Ainda não eram 18h, pensou; o cabelereiro, geralmente aos sábados, trabalha até mais tarde. Trocou-se de roupa, pegou a chave do carro e saiu a busca de Balbino. Ao chegar ao salão, ainda com pessoas a serem atendidas, Balbino o recebe estupefato com o tom do cabelo.
            ̶ Infelizmente não adianta fazer nada. Espera que, com o tempo, volte ao normal. Coisa de duas a três semanas. – aconselhou Balbino, ainda com a tesoura e pente na mão.
            O fim de semana foi tétrico para Murilo. O amigo Fabrício, após várias tentativas de amenizar a situação, achou por bem, visitar a família o restante do fim de semana.
            Na segunda-feira, Murilo tinha que ministrar aula às 7h. Chegou ao colégio o mais cedo possível e se enfiou na sala para evitar gozações. Pegou suas anotações e foi grafando no quadro de giz, enquanto escutava os alunos entrando no recinto.
            ̶  É pra copiar, professor? – alguém lhe pergunta.
            ̶ Sim. – limitou-se a responder, sem voltar-se para os alunos.
            Não demorou muito, o burburinho tomou conta da sala de aula. Até que um aluno de nome Reinaldo, lhe perguntou:
            ̶  Professor, o senhor pintou o cabelo?
            ̶ Não. – respondeu, tentando disfarçar. O aluno não deixou por menos e reforçou:
            ̶  Pintou sim, professor. Essa cor preta é tinta pura. Sei por que minha mãe pinta os cabelos dessa cor.
            As gargalhadas, na sala, soaram nos ouvidos de Murilo por um longo tempo, sem contar que, por semanas o cabelo aparentava cor de burro fugido.

(Conto publicado em "Contos Livres - Edição Especial Abril 2016" - Câmara Brasileira de Jovens Escritores/CBJE, p.24-27)
Gabriel Joerke
Enviado por Gabriel Joerke em 23/06/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários