Textos


UM DIA (QUASE) ATRAPALHADO
  
            Prometia ser um dia esplendoroso: a seresta do período vespertino daquele domingo; os preparativos para Cosme e Damião, bem como a expectativa de apreciar o eclipse lunar.
            Na primeira atividade domingueira, a cantoria, o cavaquinhista e coordenador da mesma, era considerado exigente na escolha, tanto das músicas quanto dos cantores e cantoras. Enquanto tocava, observava o grupo e escolhia de antemão quem iria cantar e, se possível, indicava a música a ser cantada. Quem se atreveria a contradizer? Nem a Graça, com seu jeitinho gracioso – que, naquele dia, não tinha dado o ar da sua graça – para tentar persuadi-lo.
            Entre umas e outras músicas, chegou a vez da Marizete cantar “O xote das meninas” (Luiz Gonzaga e Zé Dantas). Eis que, no trecho do refrão: “Ela só quer / só pensa em namorar / Ela só quer / só pensa em namorar”... Plac! Arrebenta uma corda do cavaquinho do seu Vivi. Imediatamente, desconcertado, o músico ficou acabrunhado. Mesmo assim a Marizete – vestia blusa vermelha e saia rodada estampada e longa –, conseguiu terminar a música e fora aplaudida. Por outro lado, o burburinho no grupo cessava a cada olhar esvoaçante do cavaquinhista. Até o céu começou a se fechar.
            A música seguinte “India” (José Asunción Flores e Manuel Ortiz Guerrero), o cavaquinhista fez questão de cantá-la.  Na segunda passagem da música, mais especificamente no trecho: “Quando eu for embora para bem distante / e chegar a hora de dizer-lhe adeus...”, outro infortúnio: a dentadura do cantor saltou da boca ao solo. Mal se pode dizer que, nem Corega, nesse momento, resolveria. Um tanto constrangido, guardou a dentadura no bolso e continuou apenas a tocar o instrumento.
            Se, nesse momento, Evinha  ̶  toda emperiquitada, com calça colante verde, uma camisa branca, levemente cingida  por um cinto branco e, sapatos pretos  ̶  achou que sua chance de cantar, naquele dia, tinha ido pró beleleu. Enganou-se. Foi chamada sim, para interpretar “Galopeira”, de Maurício Zayas e Cardoso Ocampo. Como era usual, Madalena, se levanta para acompanhar a colega a cantar. Ambas entusiasmadas e a plateia também. Dele Galopeira!: “Galopeira, nunca mais te esquecerei / Galopeira, pra matar minha saudade / Pra minha felicidade...”
            ̶ Plac! Putz! – destoou no ar. 
            ̶ O que foi isso? – perguntaram. Olhando para o cavaquinhista, não se tratava mais da sua dentadura; mas sim, da segunda corda do cavaquinho. Rebentou. Agora sim, que a vaca vai pro brejo, pensou Evinha. Que nada. Continuaram assim mesmo. 
            A cantoria teve seus altos e baixos, sem deixar de ter sido prazerosa; a lua ficou um bom tempinho, escondidinha, por causa do tempo parcialmente nublado e, nós cá, à espreita para capturá-la. Os doces, por outro lado, correram as ruas e fizeram a alegria da criançada.
            ̶ O que vale é a partilha de sons, os encontros, as alegrias, as belezas naturais e o que cala, na alma. – disse Evinha, sorrindo.
 
[Conto publicado na Antologia Contos Fantásticos - Edição Especial de Setembro 2016 - CBJE/RJ; p.57-59]
 
Gabriel Joerke
Enviado por Gabriel Joerke em 09/11/2016
Alterado em 09/11/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.gabrieljoerke.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários