Textos


A LUA COQUETE

Parecia que sua barriga
Tocaria o vale mágico,
Tão fofa se encontrava.

Vestia-se
De azul-claro intenso,
Reforçado por prata vivaz.

Era seu dia,
Sua noite e sua madrugada.
Já está a postos, logo se casaria,
A lua coquete.

Balançava-se apaixonadamente
Pela imensidão do firmamento.
Um eterno vai-e-vem
De felicidade arrebatadora.

Aguardava, por vezes, inquieta
O surgimento da aurora,
Para com ela agasalhar,
Seu amado madrugador.

Ele chegaria morno, de início,
Até abraçá-la com seus raios soberanos,
Próprios de um sol radiante.


*  Publicado na Antologia "Versos que não se calam" p. 35. Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE/RJ) - Edição Especial de fevereiro de 2017.
Gabriel Joerke
Enviado por Gabriel Joerke em 22/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.gabrieljoerke.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários