Textos


COMO MOINHOS DE VENTO

Ao menor sopro outonal,
se mexem languidamente;
assim são os amores despresumidos,
como moinhos de vento.
 
Ao menor deslize,
cortam lancinantemente;
assim são os amores contumazes,
como moinhos de vento.
 
Ao movimento destemperado,
se mantém firmes aos seus próprios eixos;
assim são os amores cautelosos,
como moinhos de vento.
 
Por uma sonatina barata,
se transformam e se vão;
assim são os amores escorregadios,
como moinhos de vento.
 
Ao simples elogio,
se ruborizam e se assustam;
assim são os amores inocentes,
como moinhos de vento.
 
Ao sutil galanteio,
requebram pior que cobras em festa;
assim são os amores desprendidos,
como moinhos de vento.

[Publicado em "Nós & Eles" - 200 anos de poesia. Edição Especial 2017, p.27. CBJE/RJ]


 
Gabriel Joerke
Enviado por Gabriel Joerke em 21/05/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.gabrieljoerke.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários